20.2.13

"até quando?"

Olá Monologers!


Eu juro que mal percebo sobre política e sinto-me forçada a perceber, sinto que ou abro os olhos ou morro na praia. A taxa de desemprego vai a um nível que só Deus sabe, refiro-me a empregos “normais” tais como Médicos, Empresários e até mesmo como Assistentes Operacionais de Serviço, ao que chamávamos “contínuos/as”. Vamos lá pensar, eu que sou uma “tentativa” de Artista, mais concretamente na Arte da representação, tenho que começar a abrir os olhos e perceber em que águas é que estou a navegar e por isso depois de tantas vezes adormecer com a Tv ligada na Sic Notícias, é de se começar a pensar e arregaçar as mangas não sei para quê, mas pronto, convém arregaçar as mangas…


Quero entrar para a faculdade e bla bla bla, aquelas coisas que todos vocês já sabem. Era um sonho poder ter um emprego depois da faculdade, não precisava de ser logo quando saísse, não me importava de passar uns três ou quatro meses naquela fase pela qual eu também quero passar, procurar trabalho neste caso fazer alguns castings e pronto, aquela sensação de que me estou a esforçar… O problema é que NÃO há trabalho, e agora? Como é que fazemos? Durante a minha infância eu não fui muito amiga de contos de fadas, barbies e histórias de encantar porque sempre fui muito do Naturalismo Realismo! Mas fogo, eu pretendo ter uma casa, uma família, e pretendo esforçar-me para ser feliz, não é? Sem trabalho é tal e qual como uma chapadinha bem no centro da cara depois de terminarmos a faculdade. Depois ainda há aquela questão de Imigração: “Devemos ficar aqui e melhorar o nosso país, temos que o valorizar e enriquecer a nossa cultura e não a dos outros”, pois claro SE ao menos houvesse umas moedinhas no bolso para comprar pão e leite eu não me importava, acho que até atingia o meu auge! Eu não quero imigrar, até porque falar outra língua sem ser o “português” está quieto, posso sempre optar por países PALOP mas o ideal era mesmo não sair. Enfim acho que já nem há o “ideal”, é o que vier será bem-vindo, ou fingimos que será bem-vindo. 


Se calhar não posso ou não devo estar para aqui a escrever porque ainda nem chegou a minha vez de tropeçar e bater com a cara no chão, faltam cerca de três anos para poder trabalhar a tempo inteiro, se Deus quiser. Mas eu vejo tantos licenciados em casa, tantos que lutaram para ter um bom emprego e sustentar a sua família que agora estão simplesmente desempregados. Custa-me muito ver o nosso país tal e qual como está, vejo as notícias e é como o jogo da lagartixa do Nokia3310, a cada dia que passa os problemas aumentam e ficamos sem saída, ficamos quase sufocados. Resta-nos saber “até quando?”


Com um beijinho repleto de Arte, Cirila Bossuet.

Name of the post: "until when?"

Monologers, Hello!
I swear I barely understand about politics and I am forced to see, feel or open my eyes or die on the beach. The unemployment rate is at a level that only God knows, I mean jobs "normal" such as doctors, businessmen and even as Operational Service Assistants, to what we called "continuous / as." Come to think, that I am an "attempt" Artist, specifically in the art of representation, I have to start opening their eyes and realize that water is what I'm surfing and why after so many times falling asleep with the TV connected News in Sic, is to start thinking about rolling up your sleeves and do not know why, but ready, should roll up their sleeves ...
I want to go to college and bla bla bla, all those things that you already know. It was a dream to have a job after college, did not need to be right when he came out, I did not care to spend three or four months at that stage why I also want to spend, look for work here and ready to do some castings, that feeling that I'm working hard ... The problem is that there is NO job, now what? How did we do? During my childhood I was not very fond of fairy tales, stories of barbies and I have always been very charmed the Realism Naturalism! But puddles, I intend to have a home, a family, and I intend to force myself to be happy, right? No job is just like a punch right in the center of the face after we finish college. Then there's that issue of immigration: "We must stay here and improve our country, we have to appreciate and enrich our culture and not the other," because of course IF only there were some coins in his pocket to buy bread and milk I I did not care, I think even reached my peak! I do not want to immigrate, because speaking another language without the "Portuguese" is quiet, I can always choose to PALOP countries but the ideal was not even out. Anyway think it's not the "ideal" is what may be welcome, or pretend to be welcome.
Maybe I can not or should not be here to write because not even my turn came tripping and hitting his face on the floor, missing about three years to work full time, God willing. But I see so many graduates at home, many who fought to have a good job and support their families now that are simply unemployed. It pains me greatly to see our country just like it is, watch the news and how the game is the gecko's Nokia3310, every day that passes increases the problems and we ran out, we were almost suffocated. It remains for us to know "how long?"
With a kiss full of Art, Cirila Bossuet.